Restauração e integração paisagística

restauração ambiental é o processo induzido pelo homem para recuperar as condições ambientais (vegetação, fauna, clima, água, solo, etc.) dos ecossistema perturbados. O objetivo deste processo é imitar a estrutura, a função, os valores paisagísticos, a biodiversidade e a dinâmica dos ecossistemas originais. A integração paisagística tem por objetivo orientar ou corrigir as transformações da paisagem já realizadas (infraestruturas, extração mineira, edificações, etc.) para conseguir adequá-las à paisagem tomada como referência.

Os nossos serviços incluem a planificação e execução de projetos técnicos de restauração ambiental de ecossistemas terrestres (explorações mineiras, pedreiras, escombreiras, taludes, sistemas agroflorestais degradados, etc) e ecossistemas aquáticos (sistemas dunares, sistemas intermareais e fundos marinhos, zonas húmidas e sistemas fluviais, etc.). Adequação e integração ambiental de projetos através da adequada planificação das fases e atividades, e da incorporação de medidas preventivas, protetoras, minimizadoras, corretoras e compensatórias.

Integração paisagística de projetos selecionando o planeamento mais apropriado, utilizando os materiais adequados, e aplicando as melhores técnicas com base na análise territorial da sua localização.

Assessoria nas melhores técnicas de restauração de acordo com as condições do sistema e dos impactos, como trabalhos de reperfilado, controlo da erosão, sistemas de autodepuração, revegetação de taludes, hidro-sementeiras, reflorestações, modificação e reforço de processos edáficos, facilitação do banco de sementes, disposição diferencial de espécies, conservação do solo original, fontes de propágulos, dispersantes e retenção de sementes, etc

Medidas corretoras específicas para indústrias extrativas e atividades mineiras, como tratamentos de águas ácidas, inibição bacteriana, biorremediação e fitorremediação, emendas, restauração da cobertura vegetal, etc. Potenciação de projetos sustentáveis minimizando o efeito-barreira e as proliferações de flora alóctone, e desenvolvendo planos de conetividade mediante passagens de fauna, reflorestações autóctones, etc. Recuperação de solos contaminados. Controlo da qualidade dos solos (fitossanitários, salinização, CES, sodicidade PSI, RAS, metais pesados, resíduos orgânicos, emissões ácidas, etc.). Controlo de interações, fenómenos de especiação, mobilização de contaminantes, bioacumulação, etc. Reabilitação de solos.